“A FADA LIMÃO E A FLOR CHAMADA PERDÃO”
editado em Dezembro de 2019 pelas edições Mahatma, lançado na FNAC – CC Vasco da Gama em Lisboa

“Chegou a hora, a data, e o momento para, juntos, aprendermos a Ser Simples.

Sim, simples!

A simplesmente estar. A simplesmente Ser. A simplesmente viver até ao último instante.

O grande segredo da vida é ter tempo para contemplar o tempo, tudo o resto será sempre uma desgastante e ilusória viagem que fazemos quando pretendemos correr contra ele.

Sentimos-nos confortáveis e, por isso, gostamos de controlar tudo, achando que a fuga para a frente nos liberta e limpa o inconsciente das feridas e das angústias do ego.

Tão enganados que vivemos e tão mal que nos cuidamos, um perdão suspenso atrasa toda uma vida, porque quando não aceitamos uma vivência que deve ser, pela alma, experienciada, ela vai-se repetindo as vezes necessárias, até que seja, humildemente, abraçada.”


“Os afetos não foram feitos para nos trazer sofrimento, mas sim para nos libertar da ilusão da dor. No entanto a humanidade, na carência e no apego, ainda não compreendeu que quando por insegurança, inveja, raiva, ou ciúme se interrompe uma manifestação de Amor, também destruímos um sonho, e obrigatoriamente, iremos voltar a ser chamados para reconstruí-lo.

É tudo uma questão de equilíbrio universal e justiça divina.

Ser gentil é saber que se merece ser honrado e elogiado, e nenhuma sabedoria tem valor se não ajudar, pelo menos um único ser a vencer o medo como o seu maior e mais limitante obstáculo (…), por isso é urgente que nos tornemos a cada dia mais conscientes, seguros e responsáveis, na forma como interagimos com todas as nossas escolhas, pois será sempre através delas que a vida nos ensinará, a cada momento e situação, a pedir ou a doar perdão.

Ele é um caminho de chegada que, após percorrer uma estrada difícil e transformadora, nos liberta, e onde o Amor nos cura!”